CBA tem 8 projetos prontos para receber investimentos

Portfólio está disponível no site da instituição

Empresas podem investir recursos da Lei de Informática

O Centro de Bionegócios da Amazônia (CBA) publicou em seu site um portfólio composto de oito projetos que estão prontos para receber investimentos de empresas, por meio da Lei de PD&i (Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação), a chamada Lei do Bem.

O conjunto de pesquisas pode ser acessado no endereço eletrônico www.cbamazonia.org/projetos.

Pesquisas em biodiversidade

Os oito projetos são resultado de pesquisas desenvolvidas pelos cientistas e técnicos do CBA. O valor dos projetos varia entre R$ 1,5 milhão e R$ 4 milhões.

Os projetos são soluções desenvolvidas a partir da pesquisa aplicada em biodiversidade, estimulando o desenvolvimento de tecnologias sustentáveis, em laboratórios multiusuários de alta tecnologia, ambiente com sistema de inovação aberta, estimulando a parceria para negócios, incentivando a estruturação e o fortalecimento das cadeias produtivas, preservando o meio ambiente, promovendo benefícios sociais e econômicos para as comunidades tradicionais e valorizando o conhecimento de origem amazônida.

Cadeias produtivas

Segundo a diretora de Bionegócios do CBA, Andrea Lanza, os projetos selecionados contemplam prioritariamente a valorização das cadeias produtivas e o compartilhamento de benefícios com as populações tradicionais. “Essa é a grande missão que o CBA tem buscado desenvolver agora nessa nova roupagem, nessa nova versão e nessa nova gestão”, ressaltou.

Os projetos apresentados no site são os seguintes:

1.Utilização do lodo de Estação de Tratamento de Esgoto para a produção de adubo orgânico;

2.Obtenção e caracterização de bebida clarificada de bacaba e açaí e estudo clínico de sua utilização no controle de aterosclerose e obesidade;

3.Biodefensivos para a Agricultura: Utilização de microrganismos no controle biológico de pragas e doenças de cultivos de importância econômica na Amazônia;

4.Biofertilizantes para o emprego em sistemas de produção agrícola regionais a partir de microrganismos amazônicos;

5.Estruturação da cadeia produtiva do curauá para a elaboração de protótipos;

6.Desenvolvimento de embalagens inteligentes e sustentáveis à base de resíduos agroindustriais;

7.Microalgas amazônicas como fonte de insumos para produtos plant based e para a obtenção de pigmentos naturais;

8.Estruturação da Central Analítica do CBA para o monitoramento da qualidade na cadeia produtiva de óleo de copaíba.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *