Workshop debate urgência de normas para a biodiversidade

Evento relacionou normalização e desenvolvimento sustentável

Representantes de 50 países participaram de evento em Manaus

A cheia registrada no Rio Grande do Sul e a vazante extrema ocorrida no Amazonas em 2023 foram alguns dos reflexos das mudanças climáticas, citados pelos especialistas durante o Workshop Internacional sobre Biodiversidade – Rumo à Preservação Ambiental, realizado na manhã desta segunda-feira (20), na sede do Centro de Bionegócios da Amazônia (CBA), em Manaus.

O encontro foi uma iniciativa da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), a qual integra o Comitê Técnico da Organização Internacional de Normalização – ISO sobre Biodiversidade, o ISO/TC 331 que pela primeira vez está reunido no Brasil com a participação de representantes de 50 países.

“O mundo todo está enfrentando catástrofes naturais, muitas delas causadas pelas mudanças climáticas, e realizar esse encontro aqui em um país com o maior ecossistema do mundo é de grande importância. Nós precisamos debater a preservação dessa biodiversidade e sensibilizar para a importância da normalização internacional sobre biodiversidade, a troca de conhecimentos, a padronização, as especificações de preservação, de manejo florestal. Tudo isso é muito importante para a manutenção do desenvolvimento sustentável, sobretudo na Amazônia”, afirmou o presidente da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), Mario William Esper.

Na esteira da construção mútua a partir do envolvimento dos países, sobretudo das regiões em desenvolvimento, as quais reúnem um conjunto maior de biomas, a gerente de projetos da unidade de desenvolvimento de capacidades da ISO, Angelica Grisuk, destacou a importância de todos terem voz.
“A nossa estratégia é que todas as vozes sejam escutadas e para nós é importante que os países estejam juntos aqui discutindo esse tópico, falando todos uma língua comum em que todos possam falar e discutir e para isso nós iremos promover ao longo da semana capacitações voltadas para esses representantes”, afirmou.

A iniciativa de promover uma discussão mais ampliada em torno da normalização da biodiversidade com a participação dos povos indígenas, sobretudo no Amazonas, foi destacada como positiva pela líder indígena Vanda Witoto. “Os povos indígenas estão falando há milhares de anos sobre a importância de preservar esse ecossistema que é fundamental para a vida de todos os seres vivos e para nós, poder colaborar com essa discussão, é muito importante”, disse ela.

O Chefe de Departamento de Mudanças Climáticas e Unidades de Conservação da Secretaria de Estado do Meio Ambiente, Gleidson Almeida Aranda, ressaltou a importância do Amazonas no tema. “O nosso estado do Amazonas não é apenas biodiverso em fauna e flora, mas também na parte de povos e comunidades tradicionais”, disse.

Já o diretor geral do CBA, Marcio Miranda, destacou a importância da Normalização. “Queria chamar atenção sobre a importância da ABNT e a ISO ao lidarem com a questão dos conceitos, dados, informações e conhecimento sobre biodiversidade, pois é a partir daí que podemos desenvolver nossos projetos, como por exemplo, de aproveitamento de resíduos agroindustriais. Nós estamos falando de possibilidades de gerar negócio a partir do lixo”, destacou.

Também durante a programação, o gestor do CBA reafirmou o compromisso do Centro com a preservação da biodiversidade e apresentou um conjunto de projetos e soluções, as quais estão sendo desenvolvidas, visando a promoção de negócios a partir da bioeconomia, priorizando o fortalecimento das cadeias produtivas e promovendo a conservação da floresta e o conhecimento tradicional.

A transmissão do Workshop Internacional sobre Biodiversidade – Rumo à Preservação está disponível no link https://www.youtube.com/watch?v=5-UFszGHzA8.

O Workshop Internacional sobre Biodiversidade – Rumo à Preservação Ambiental tem apoio do FIT – Instituto de Tecnologia, Flex, Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Amazonas (CREA-AM) e do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia – INPA.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *