0239421d-8435-4f44-ba74-eaeb73e0574d
Na vida tudo é arte

Por: Luiz Thadeu Nunes de Silva

Engenheiro agrônomo e viajante do mundo

Um punhado de lembranças

8f545de7-a3e3-4a88-9595-830562a5aee0_chuva_criança

Na semana passada ocupei o nobre espaço deste jornal com a crônica “Um punhado de infância”, onde narrei o encontro com uma garotinha, no aeroporto de Guarulhos, SP, que me ofereceu um punhado de pipocas, em sua mãozinha diminuta. Aquelas pipocas me transportaram no tempo. Rebobinei a memória e citei “Já brinquei na chuva. Pisei em poças d’água, como quem salta sobre um riacho. Subi em árvores. Comi fruta diretamente do pé. Andei descalço no mato. Senti o cheiro da terra molhada, depois da primeira chuva. Brinquei de pião e xuxo na terra úmida. Empinei papagaios, que mesmo fiz. Saltei barquinhos de papel na enxurrada, na sarjeta, em frente de casa. Deliciei-me com o perfume das flores, em manhãs de mormaço. E, foram todos esses pequenos momentos mágicos que deram cor aos meus primeiros anos de vida e sedimentaram os meus sonhos”.

O retorno dos leitores foi melhor do que o que escrevi. A alegria de quem escreve é o retorno de quem lê.

O poeta Rinaldi, com a sensibilidade dos amantes das letras, escreveu-me:

“Bom dia, cronista! O belo texto me lembrou três poemas, que o embalam em cumplicidade: “Barquinhos de papel”, do poeta Guilherme de Almeida.

O poema de infância “Meus oito anos”, de Casimiro de Abreu; e o poema-resposta do mesmo poeta carioca Casimiro de Abreu, quando perguntado por uma menininha o que seria o sentimento de simpatia …”

O amigo leitor Noel, de Rio Branco, Acre, escreveu: “Bom dia, amigo Luiz Tadeu! Uma crônica que nos remete ao passado, “um punhado de lembranças”, titulo do texto de hoje.

De Aracaju, recebi do articulista Léo Mittaraquis: “Luiz Thadeu⁩: Delicado, tocante, texto proustiano…”. Tanto quanto a sua, minhas lembranças d’infância saltam pelo tempo como milho de pipoca a estourar na panela. Saudações cordiais”.

O jornalista baiano, de Itaúna, Marcel Leal, que publica minhas crônicas jornal A Tribuna, escreveu: “Impressionante, Luiz, tivemos a mesma infância”. Detalhe, conheço Marcel apenas virtualmente.

Falar da infância é um mergulho no passado, guardado em cada um de nós. Somos feito de lembranças, de história vivida e vivenciadas. Revisitar o passado, seja através de um pouco de pipocas, é regatar a criança que existe em nós. O tempo, impávido, segue seu curso; nossas memórias regatam tempos que ficaram lá atrás.

E, como no poema “Meus oito anos”, de Casimiro de Abreu, digo: “Oh! Que saudades que tenho da aurora da minha vida, da minha infância querida que os anos não trazem mais! Que amor, que sonhos, que flores, naquelas tardes fagueiras à sombra das bananeiras, debaixo dos laranjais!

Como são belos os dias, do despontar da existência!
-Respira a alma inocência, como perfumes a flor; o mar é – lago sereno,
o céu -um manto azulado, o mundo – um sonho dourado, a vida – um hino d’amor!

Que auroras, que sol, que vida, que noites de melodia, naquele ingênuo folgar!
O céu bordado d’estrelas, a terra de aromas cheia, as ondas beijando a areia, e a lua beijando o mar!

Oh! dias da minha infância! Oh! meu céu de primavera!
Que doce a vida não era, nesta risonha manhã.
Em vez das mágoas de agora, eu tinha nessas delícias de minha mãe as carícias
E beijos de minha irmã!”

Boas lembranças são provas de que o passado valeu a pena.

Feliz carnaval para todos: para os foliões festeiros, e para os que como eu, pulam no circuito: quarto para sala, da sala para cozinha, da cozinha para o quarto. O importante é estar com saúde física, mental e espiritual.

Luiz Thadeu Nunes e Silva

Eng. Agrônomo, Palestrante, cronista e viajante: o latino-americano mais viajado do mundo com mobilidade reduzida, visitou 151 países em todos os continentes. Autor do livro “Das muletas fiz asas”, membro do IHGM e ABLA.


Qual sua Opinião?

Confira Também