Ramal Água Branca 2 pede socorro (ver vídeos)

Moradores farão manifestação pedindo pavimentação

Chuvas provocam lamaçal em quase toda extensão da via

Juscelino Taketomi
Especial para o ÚNICO

Com cerca de 3 mil habitantes, o Ramal Água Branca 2, localizado na rodovia AM-010, km 35, na Zona Rural de Manaus, está em condições precárias de tráfego.

A situação crítica afeta diretamente a vida de moradores, agricultores, estudantes e visitantes da área, que clamam por medidas urgentes dos poderes públicos, tanto municipal quanto estadual, para resolver o problema.

Aventura na lama

A precariedade do ramal impede a circulação adequada, transformando qualquer deslocamento em uma verdadeira aventura. Um morador local desabafou ao ÚNICO “Lá, a trafegabilidade é difícil, uma aventura, pois ninguém pode sair do ramal para vender seus produtos, e tampouco alguém pode comprar gêneros alimentícios. Vivemos como numa prisão”.

A situação não só prejudica a economia local, mas também compromete o acesso dos alunos à Escola Abílio Alencar, que fica na entrada do ramal, afetando diretamente a educação das crianças e jovens da comunidade.

“Vamos paralisar a estrada”

Em protesto, os moradores estão organizando uma grande manifestação na entrada do Ramal para o próximo fim de semana. A intenção, conforme relatado por um estudante, é paralisar totalmente o trânsito no trecho que abrange o km 35 da AM-010.

“Nossa intenção é paralisar mesmo o trânsito no trecho que envolve o km 35 da AM-010. Entendemos que só assim as autoridades nos ouvirão e providências serão tomadas, não é possível que esse estado de coisas continue”, afirmou o estudante.

Busca da trafegabilidade

A comunidade do Ramal Água Branca 2 exige respostas concretas e ações eficazes para que a trafegabilidade seja restabelecida com máxima urgência, permitindo a movimentação segura de pessoas e mercadorias, bem como o acesso ininterrupto à educação. “A voz da comunidade deve ser ouvida e respeitada. Providências já!”, escreveu um morador em mensagem via Whatsapp.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *