O roadmap do mateiro digital

✅ Sandro Breval

Eu conheço várias empresas que estão buscando descobrir o estágio atual em que se encontram Indústria 4.0, possíveis trilhas, bem como novos reposicionamentos digitais. E isso é bom, pois dinamiza o mercado da transformação digital e renova as empresas para encarar a Quarta Revolução Industrial. Guimarães Rosa já dizia “As coisas mudam no devagar depressa dos tempos”, e já temos fortes sinais.

✅ Mapeamento de estratégias e objetivos

Os sinais são sentidos em diversas dimensões empresariais – manufatura, modelo de negócios, logística – e cabe ao gestor entendê-los e traduzi-los para o resto da organização. O fato é que precisamos de uma bússola, de um plano ou de um roadmap. Este último muito frequente nos estudos desta nova era digital. O roadmap é uma abordagem utilizada para a identificação, definição e mapeamento das estratégias, objetivos e ações relacionados com a inovação em uma organização ou negócio. Em geral, têm-se o tempo como balizador (curto, médio e longo prazo) e as tecnologias , produtos/serviços e mercados que deslizam sobre a trilha do processo evolutivo , que no caso da indústria 4.0 podem ser os avanços tecnológicos e seus impactos na manufatura e na empresa.

✅ Investimento, capacitação e mercado

Um aspecto importante é que o roadmap garante um alinhamento entre os investimentos em tecnologias e o desenvolvimento de novas capacidades que resultem em aumento na criação ou geração de valor para o negócio. Temos os recursos do P&D que podem subsidiar tais experimentos e contribuir para novas rotas de desenvolvimento no Polo Industrial de Manaus. De certo, a complexidade da gestão tecnológica alavanca a necessidade da efetiva identificação, seleção, aquisição, desenvolvimento e proteção das tecnologias -produto , processo e infraestrutura – para que os impactos no modelo de negócios sejam efetivos. Ou seja, o roadmap pode ser entendido como uma visão prospectiva de futuro, baseada em conhecimento de especialistas. Aqueles que conhecem a mata. Cabe ao gestor criar os vínculos existentes entre objetivos estratégicos e os ativos tecnológicos, para que produzam os efeitos de mudança pretendidos para um novo estágio empresarial e tecnológico.

✅ Maturação e direcionamento

Porém, vale o registro que o desenvolvimento de tecnologias possui um caráter exploratório, dinâmico, cercado de incertezas e marcado por longos prazos, já que mudanças tecnológicas ou inovações envolvem mudanças profundas da antiga rotina. Portanto, sem um direcionamento o risco de baixos resultados será muito maior e com consequências mercadológicas inevitáveis. Vejo um crescimento, e amadurecimento, de um ecossistema de inovação no âmbito do Polo Industrial de Manaus. De um lado as empresas com incertezas e necessidades de entender essa nova trilha, e de outro as inteligências disponíveis (academia, institutos de pesquisa e etc). Precisamos conectar e gerar valor.

✅ Impacto na gestão, produção e lucro

A percepção comum , entre os atores da inovação, é que o processo de mudança está iniciando lentamente , mas com profundos impactos na forma de gerir, de produzir e dar lucro. Alguns caminhos que podemos trilhar : buscar identificar o grau de maturidade e prontidão da indústria 4.0, desenvolver inteligências internas, avaliar os processos que geram valor e introduzir a tecnologia para ampliá-los, e sobretudo um alinhamento estratégico. Imagine que estamos no meio da mata , fechada, amazônica, tropical, difícil acesso. Tal cenário lembra um livro , de 2008, de Martin Ford entitulado “Luzes no fim do túnel: automação, aceleração da tecnologia e a economia do futuro” , no qual comenta os avanços tecnológicos e a rapidez que as mudanças ocorrem, principalmente na duplicação sistemática na capacidade de processamento dos computadores e como isso afetaria o mercado de trabalho. Precisamos mudar depressa no devagar da floresta.

Sandro Breval é Professor Adjunto da UFAM, pós-doutoramento em Engenharia e Gestão Industrial na Univ do Porto, Doutor em Engenharia da Produção pela UFSC. Diretor adjunto da FIEAM.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *