O JOGO SÓ TERMINA QUANDO ACABA

Eleições 2020, a sorte está lançada, que vença o mais experiente, o mais sensato e responsável sem bravatas, sem mentiras e sem ar de salvador da pátria porque “fica decretado que agora vale a verdade/ que agora vale a vida/ e que de mãos dadas/ trabalharemos todos pela vida verdadeira”, canta-nos o Poeta Thiago de Mello, por uma Manaus justa com menos desigualdade e mais justiça social.

Ademir Ramos

Os peladeiros ensinam-nos algumas regras que valem para vida em sociedade, uma delas é a que nos orienta nesta roda de conversa com os interlocutores das Redes sobre as eleições municipais encerrando a seguinte mensagem – o jogo só termina quando acaba.
Em discussão as pesquisas eleitorais algumas primorosas quanto à metodologia, outras agindo com prática de extorsão bancada para ludibriar o eleitor desatento no mercado servindo também para inflamar a vaidade do incauto nas urnas e o pior que o tonto se deixa seduzir pelas estatísticas horizontais e cruzadas acreditando que já ganhou.
Mais ainda, o especialista emposta a voz e passa fazer leituras transversais para dar prova da veracidade do seu trabalho apresentando variáveis e mais variáveis. Como se sabe, as especulações são as mais inusitadas frente ao desconhecido, no passado buscavam-se ouvir os oráculos, pai e mãe de santo para responder a inquietude do candidato, quando não satisfazia os instintos do mandatário plantava-se notas nos jornais exaltando candidatura A, B ou C, não sortindo efeito partiam para empastelar os jornais ou promover quebra-quebra das prensas dos matutinos locais e às vezes com armas em punho.
Mas o processo civilizatório vai se transformando e os instrumentos cada vez mais vai se sofisticando. O fato é que o jogo está em curso e só termina quando acaba ou quando o juiz apita o final. É verdade que o Negão está nas cabeças das pesquisas sim, mas tal certeza estatística não faz do Negão o vitorioso.
Por esta e outras razões tanto o Negão como os demais concorrentes do pleito para Prefeitura de Manaus, assim como os próprios candidatos a vereadores devem com determinação e foco manter o ânimo da campanha até o encerramento do pleito.
O sucesso, a vitória tão almejada resulta dessa determinação que por sua vez é o produto da organização da campanha orientada por uma cartografia seguida dos meios necessários – comunicação, transportes, e apoio – aos agentes para operacionalização de sua missão.

Outra regra que se aprende entre os peladeiros é a seguinte – quem não faz leva – em outras palavras quem não se organizou para o pleito (pré-campanha, campanha e o dia da eleição) possivelmente não prosperará visto que a vitória é na verdadeira a somatória de todo esse trabalho sistêmico orientado e impulsionado pela leitura estratégica da direção e comando da campanha.
A sorte está lançada, que vença o mais experiente, o mais sensato e responsável sem bravatas, sem mentiras e sem ar de salvador da pátria porque “fica decretado que agora vale a verdade/ que agora vale a vida/ e que de mãos dadas/ trabalharemos todos pela vida verdadeira”, canta-nos o Poeta Thiago de Mello por uma Manaus justa com menos desigualdade e mais justiça social.
É professor, antropólogo, coordenador do projeto jaraqui e do núcleo de cultura política do Amazonas do Dpto. de Ciências Sociais da UFAM. E-mail: [email protected]


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *