fbpx
3 de julho de 2022
Claúdio

Coluna:

Por: Cláudio Barboza

Jornalista profissional rg/mtb 059
Prêmio Esso de jornalismo

O grito do Chefe de Reportagem

Claudio barboza

Maço de cigarros Hollywood no bolso, pés enfiados numa confortável sandália franciscana e um cabelo preto plasticamente arrumado. Costumava chegar britanicamente ao jornal às 14 horas e, ao passar pela porta da redação, disparava gritos e broncas a torto e a direito, fazendo tremer os mais jovens, e provocando sorrisos disfarçados nos mais experientes que se escondiam atrás das então máquinas Olivetti. Esse era o perfil do Chefe de Reportagem de A Crítica, na década de 70, Jornalista Leal da Cunha. Com certeza, um dos maiores jornalistas produzidos no Amazonas, que durante anos foi da Imprensa Oficial e chegou a ser secretário de Comunicação, no segundo governo de Gilberto Mestrinho.

Leal da Cunha mandava repórteres para a apuração do dia-a-dia, lia textos e escolhia fotos, sem aliviar nos comentários. Quando considerava que a matéria não estava boa, para desespero do autor, lia alguns trechos em voz alta. Dependendo da entonação, isso podia se transformar num horror. E Leal caprichava nas entonações. Depois, tirava os óculos, fazia cara de poucos amigos e ia tomar um café.

Durante muitos anos, Leal da Cunha acompanhou passo a passo a produção do dia-a-dia de A Crítica e apesar do estilo durão, nunca o vi ofender moralmente uma pessoa. Era um chefe ranzinza, mas falava com conhecimento e depois da bronca, até compartilhava um café com o “foca”. Só ficava intragável quando o seu Flamengo ia mal no domingo. Aí, a segunda-feira era de lascar!

Nesses anos, a pauta do jornal era definida pelos editores e o chefe de reportagem acompanhava diretamente as editorias de Cidade, Política e Polícia, mas também opinava em Esportes. A pauta era fixada em um quadro de avisos. Antes de a matéria ser editada passava pelo copydesk (revisor) que, em alguns casos, reescrevia ou chamava o repórter para fazer alterações no texto. Na maioria das vezes o editor era o responsável pelos títulos.

Lembro-me do Umberto Calderaro circulando pela redação. Era uma cena rara. Passava no corredor que dividia a redação e sem nenhuma afetação, falava tanto com os antigos quanto os mais jovens. Tinha um jeito especial de comandar o jornal… Mas essa é uma história mais para frente…

Claudio Barboza, formado em Filosofia pela Faculdade de Belo Horizonte, graduado em jornalismo pela UFAM, Mestre em Sociologia pela UFMG, Dr. em Comunicação pela UFMG

Qual sua Opinião?

Confira Também