fbpx
<em>O Brasil em estado de emergência</em>

Coluna:

Por: Carlos Santiago

Sociólogo, Analista Político, Advogado e Membro da Academia de Letras e Culturas da Amazônia – Alcama.

O Brasil em estado de emergência

Brasil doente

A incompetência, a corrupção, o autoritarismo, o patrimonialismo, a política do ódio e a luta fratricida de grupos políticos levam o Brasil a terminar o ano de 2022 em estado de emergência, na “UTI” dos absurdos, uma demonstração de como as decisões erradas fazem muito mal ao país.
Há treze anos, por exemplo, o país não tem crescimento econômico. A miséria tem crescido, a inflação avançou, o desemprego continua grande, a política do “toma lá dá cá” ficou mais exposta, a máquina pública ficou mais cara e o Congresso Nacional está a todo vapor aprovando leis para livrar malfeitores.
Nesse período, o Brasil foi governado por partidos e políticos de ideologia de esquerda (Dilma), de centro (Michel Temer) e de direita (Bolsonaro), com desastres econômicos e sociais, causados por decisões políticas. Agora, o Congresso Nacional corre para aprovar a Proposta de Emenda Constitucional – PEC do Estado Emergência, com forte apelo eleitoral e uma tentativa de salvar o ano de 2022 que caminha para uma retração econômica.
Segundo o site do Senado Federal, entre os benefícios trazidos pela PEC do Estado de Emergência, que durará até o final do ano, com gasto de recursos estimado em R$ 41,25 bilhões, estão: a expansão do Auxílio Brasil e do vale-gás de cozinha; a criação de auxílios aos caminhoneiros e taxistas; a gratuidade de transporte coletivo para idosos; a concessão de créditos tributários para o etanol; e para reforçar o programa Alimenta Brasil.
O Estado de Emergência, via PEC, objetiva, também, driblar o teto de gastos definidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal, inclusive, para um governo no fim de mandato; e os impedimentos impostos pela legislação eleitoral que visa o equilíbrio na disputa eleitoral entre os candidatos, pois o estado de emergência é uma excepcionalidade.
Nos últimos treze anos, aconteceram crises econômicas internacionais, pandemia de Covid-19 e conflitos políticos internos, com mudanças de investimentos do capital internacional, com o impedimento da Presidência da República, com mortes de milhares de pessoas por Covid-19 e com prisões de políticos por membros do Poder Judiciário. Mas será que isso tudo é responsável pela grave situação do país?
A maioria do eleitorado buscou acertar, nas últimas décadas. Votou em candidatura de esquerda, de centro e de direita. Votou em políticos jovens e em políticos antigos. Votou no discurso do novo, no discurso do diferente, no discurso da antipolítica e no discurso do combate à corrupção. Novos quadros políticos foram eleitos para as casas legislativas. Então, por que estamos nessa situação?
É preciso ir fundo nas raízes do Brasil. Entender o país de ontem e de hoje. Um Brasil de tradição autoritária, elitista, violenta, excludente, preconceituosa, intolerante e machista que está na política, na econômica, nas religiões e nas relações entre pessoas no cotidiano.
Novas eleições em 2022, bandeiras, bandeirolas e velhas narrativas estão nas ruas e nas casas. O Estado de Emergência, em plena eleiçao, pode ser o estágio terminal de um período e até de uma tradição para que haja o início de novos tempos. Talvez… um dia o Brasil poderá ser um país melhor para qualquer brasileiro viver.

Esse texto não reflete, necessariamente a opinião do Único

Qual sua Opinião?

Confira Também

O desaparecimento de três jovens de um bairro de Manaus

Eles sumiram no ano de 2016 quando voltavam de uma festa Foram abordados por uma viatura da polícia e nunca mais foram vistos Três jovens que voltavam de uma festa, foram abordados por uma viatura da polícia e desapareceram sem deixar vestígios. Essa é a história que Maíra Menezes conta no vídeo desta semana, como uma mais conteúdo da série Crimes e Visagens.

Leia Mais

Candidaturas femininas no Amazonas superam em 1% o total nacional

Em todo o país, as mulheres representam 33% das candidaturas, contra 67% dos homens Conheça quem são as mulheres nas disputas majoritárias neste ano Ricardo XavierPara o Portal ÚNICO A um dia do encerramento do prazo para o registro dos candidatos para as eleições deste ano, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já registra que 67% das candidaturas de todo o país são compostas pelo gênero masculino e 33%, pelo feminino. No Amazonas, a diferença é de apenas um ponto percentual, em relação à nacional, com 66% de homens e 34% de mulheres candidatos. Esses números ainda não são definitivos, porque

Leia Mais

Prefeito de Rio Preto da Eva desapropria terreno de R$ 2,8 milhões a “preço de banana”

Proprietários denunciam subvalorização, humilhação e “expulsão” de sua casa Prefeito foi pessoalmente com a polícia cumprir liminar de despejo da família (vídeos) Solange EliasPara o Portal ÚNICO A proprietária de um terreno localizado na entrada de Rio Preto da Eva (a 81 km de Manaus), Elany Celeste Costa Mouriere, pessoa doente e com uma prótese no crânio, foi despejada de seu imóvel, junto com seus familiares, na última sexta-feira (12), pelo prefeito do município, Anderson de Sousa (PP), que foi pessoalmente cumprir ordem emitida pelo juiz da comarca, Carlos Henrique Jardim da Silva, em forma de liminar. A dor de

Leia Mais