MP do governo Lula tenta salvar a Amazonas Energia

Medida Provisória facilita a recuperação de concessões

Concessionária foi comprada pela holding J&F

Fábio Rodrigues
Especial para o ÚNICO

Brasília (ÚNICO) – Nesta quinta-feira (13), o governo Lula deu mais um passo para que a empresa mbar Energia – da holding J&F, dos irmãos Joesley e Wesley Batista – assuma o controle da Amazonas Energia, que foi comprada da Eletrobras nesta semana.

O governo publicou uma Medida Provisória facilitando a recuperação de concessões de energia em desequilíbrio financeiro a partir da flexibilização de regras regulatórias, como é o caso da Amazonas Energia. Na visão do governo, sem as flexibilizações, a concessão da empresa é inviável.

De acordo com a MP, o projeto permite a transferência do controle societário como alternativa à extinção da concessão, desde que um termo aditivo ao contrato seja assinado.

Esse aditivo deverá “prever as condições para promover a recuperação da sustentabilidade econômico-financeira do serviço de distribuição de energia elétrica, com vistas a obter o menor impacto tarifário para os consumidores”, diz a MP.

Redução de riscos

O negócio reduziu os riscos para a Eletrobras associados à Amazonas Energia, que possui contratos de energia com a maior parte das usinas vendidas, e que soma uma inadimplência relevante com a Eletrobras, de R$ 10 bilhões.

A Amazonas Energia foi vendida pela Eletrobras para a Oliveira Energia em 2018, mas a nova controladora não conseguiu equacionar os problemas da companhia.

Roubo de energia

Nesta semana a Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica divulgou que o Amazonas é o estado brasileiro onde mais a população “rouba” energia, por meio das ligações clandestinas chamadas de “gatos”.

Segundo o levantamento, a energia furtada supera a energia regularizada em 117,8%, ou seja, mais que o dobro dos consumidores deixa de pagar a conta.

Desde que assumiu a direção da empresa, em 2018, o Grupo Oliveira, do empresário Orsine Oliveira, aponta para o ralo gigantesco das ligações clandestinas como o maior problema da empresa.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *