Ministério Público move ação contra Prefeitura de Humaitá

Dois prefeitos são acusados de improbidade administrativa

Eles contrataram empresa sem licitação

O Ministério Público do Amazonas (MPAM) apresentou duas ações civis públicas por improbidade administrativa relacionadas à contratação da empresa DMK Serviços de Contabilidade pela Prefeitura de Humaitá.

O contrato, iniciado em 2017, foi renovado anualmente, sem a devida licitação e sem apresentação de justificativas.

Serviços não licitados

As ações, propostas pelo Promotor de Justiça Weslei Machado no último dia 19, são baseadas no Inquérito Civil nº 162.2021.000011. Além da renovação irregular, foram identificadas alterações nos valores contratuais sem seguir os critérios legais, bem como o pagamento de serviços não licitados e não contratados.

Dois prefeitos

O prefeito atual, Cidenei Lobo do Nascimento, o Dedei Lobo, o ex-prefeito Herivaneo Vieira de Oliveira e o empresário Dilson Kovalski estão implicados nas ações, que buscam a condenação conforme os incisos II e III do art. 12 da Lei nº 8.429/92.

O MPAM alega que há elementos que indicam a atuação dolosa dos envolvidos, visando a execução e pagamento de serviços fora do processo licitatório, em desrespeito à imparcialidade e à concorrência estabelecida por lei.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *