LOURENÇO DOS SANTOS PEREIRA BRAGA

Primeiro Reitor da Universidade Estadual do Amazonas, A UEA, o professor Lourenço dos Santos Pereira Braga conta nessa edição um pouco da sua trajetória em *Histórias de Sucesso”, série lançada pelo Portal ÚNICO, onde homens e mulheres relatam suas caminhadas vitoriosas. Conheça agora um pouco do professor doutor Lourenço Braga!

LOURENÇO DOS SANTOS PEREIRA BRAGA
Natural de Manaus, Amazonas – 17 de junho 1945
Estado Civil – Casado
Esposa – RAQUEL RAIMUNDA BATISTA BRAGA
Filhos:
ALESSANDRO BATISTA BRAGA, 27.06.1976
JULIANA BATISTA BRAGA, 17.10.1979
LOURENÇO DOS SANTOS PEREIRA BRAGA JÚNIOR, 30.10.1981
Formação Escolar:
GRADUADO EM DIREITO pela Universidade do Amazonas, hoje Universidade Federal do Amazonas (UFAM), 1970
ESPECIALISTA EM DIREITO E DESENVOLVIMENTO pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 1980
ESPECIALISTA EM DIREITO PÚBLICO pela Universidade do Amazonas, hoje
Universidade Federal do Amazonas (UFAM), 1981
Início de atividades profissionais:
AGENTE DO RELAÇÕES PÚBLICAS do Departamento de Imprensa, Turismo e Propaganda do Estado do Amazonas, 1964, aos 19 anos
Professor do Ensino Primário do quadro da Secretaria de Estado de Educação, nomeado em abril de 1965 à vista de aprovação em concurso público de provas e títulos
Advogado, desde 1972
Professor da Universidade Federal do Amazonas por aprovação em concurso público de provas e títulos, lotado na Faculdade de Direito, 1981 (até junho de 2015)
Procurador do Estado, 1976 (até 2018)
Locais onde trabalhou:
Departamento de Imprensa Turismo e Propaganda do Estado do Amazonas – (ASSESSOR)
Departamento de Administração e Serviço Público do Estado do Amazonas – (ASSESSOR, DIRETOR e MEMBRO DE COMISSÕES TÉCNICAS)

  • Secretaria de Estado de Administração – SEAD (ASSESSOR, DIRETOR, SUBSECRETÁRIO e 3 vezes SECRETÁRIO DE ESTADO)
    Comissão Estadual de Licitação (PRESIDENTE)
    Grupo Escolar Ribeiro da Cunha (PROFESSOR)
  • Grupo Escolar Cunha Mello (PROFESSOR)
    Escola de Serviço Público do Estado do Amazonas – ESPEA (ASSESSOR e PROFESSOR)
    Secretaria de Estado de Justiça (SECRETÁRIO DE ESTADO)
    Faculdade de Direito da Universidade Federal do Amazonas (PROFESSOR E DIRETOR)
    Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, curso de Direito (PROFEESSOR)
    Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral – SEPLAN (ASSESSOR e
    SECRETÁRIO DO CONSELHO ESTADUAL DE POLÍTICA SALARIAL)
    Comissão de Desenvolvimento Econômico do Estado do Amazonas – CODEAMA (ASSESSOR)
  • Procuradoria Geral do Município de Manaus (PROCURADOR-GERAL)
  • Procuradoria Geral do Estado do Amazonas (PROCURADOR DO ESTADO, CHEFE DE PROCURADORIAS ESPECIALIZADAS e SUBPROCURADOR-GERAL ADJUNTO)
  • Prefeitura Municipal de Manaus (CHEFE DA CASA CIVIL)
  • Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino – SEDUC (SECRETÁRIO DE ESTADO)
  • Universidade do Estado do Amazonas (REITOR)
    Meu Lazer: Escrita, incluindo crônicas e poemas, leitura e jogos eletrônicos

Pergunta e respostas

P – Três coisas importantes para ser destaque


Resposta: COMPETÊNCIA (aí incluída capacidade de liderar, de ousar e de sonhar), SERIEDADE (probidade e honestidade, inclusive de propósitos) e DEDICAÇÃO (significando superação de forças para atingimento de metas e objetivos).


Pergunta: Teoria e prática se completam


Resposta: Muitas vezes são complementares, às vezes se chocam, mas a Ciência, que se funda no Conhecimento, não despreza a praxis e não raro dela recolhe subsídios para sua própria construção. De milhares possíveis, trago o exemplo da medicina dos povos originários, transmitida entre gerações e eficazmente consagrada.


Pergunta: Sua leitura predileta?


Resposta: O hábito de ler é progressivamente variado, ao longo da vida, incluindo muitas das formas de manifestação do pensamento, mas hoje a atenção maior está concentrada em poesias e em livros técnicos em busca de evitar desconhecimento da evolução do Direito.


Pergunta: Quanto tempo fica ao celular diariamente?


Resposta: O tempo de uso de celular varia na proporção da necessidade de encontrar ali fonte importante de informação sobre o que desejo ler ou escrever, ou mesmo quando busco lazer de jogos, o que talvez termine por significar em torno de 5 ou até 6 horas em um mesmo dia.

Pergunta: Ganhar dinheiro é sorte ou trabalho?

R : Ganhar dinheiro, para quem, como eu, não pratica nenhuma aposta, nem mesmo nas muitas loterias que há no país, é, indispensavelmente, produto do trabalho, o que precisa ter por fundamento a honestidade, sobretudo quando se tratar de recursos públicos, porque considero que o Estado existe para servir às pessoas, essencialmente no que lhe é função básica (saúde, educação e segurança), e não para que seus agentes dele se aproveitem ou sirvam.

Pergunta: É mais fácil estudar e trabalhar atualmente do que há 20 anos?


R: Não há a mais mínima dúvida, ao que penso, de que os recursos tecnológicos hoje disponíveis, a partir do acesso à rede mundial de computadores, facilitaram em demasia o estudo, haja vista a quantidade e a atualidade de informações à disposição de quem as deseja, pode e sabe buscar. Não fora isso e não teríamos conseguido projetar e executar o maior programa de graduação de professores do ensino fundamental, que formou mais de 98% dos que integravam as redes públicas estadual e municipais no início deste século, deste milênio. A Universidade do Estado do Amazonas foi pioneira no que se passou a chamar de ensino presencial mediado por tecnologia, nossa criação, desde janeiro de 2002 tornando-se a maior universidade multicampi do país e firmando, por certo, um importante divisor de águas na desejada qualidade do ensino, esta que, ao que considero, não se melhora sem que se tenha em sala de aula professor qualificado, competente e atualizado.Em 2005 diplomamos mais de 7.500 professores-discentes, a maior turma de alunos do planeta, em todos os municípios do Interior, que se somaram aos mais de 2000 de Manaus. E logo iniciamos a segunda turma, o que fez chegar a mais de 15.000 graduados.A exitosa experiência permitiu a formação de 930 cientistas políticos em 13 municípios hinterlandinos, a graduação de professores de matemática, de ciências e até de educação física, e foi premiada com reconhecimento além-fronteira, inclusive pela UNESCO. Hoje, consagrada, sustenta grande parte da atuação de nossa UEA.


Saindo da Educação, possível destacar a extraordinária contribuição dos recursos tecnológicos da atualidade em qualquer outro ramo da atividade humana, como se dá, por exemplo, com a Medicina,, que permitiu à UEA instituir, em 2004, programa de transmissão de dados e de imagens que, no âmbito da chamada telemedicina, já beneficiou mais de um milhão de moradores deste canto do país.


É espetacular, por exemplo, o avanço na cirurgia, inclusive cardíaca, na oftalmologia, na clínica de diagnóstico, nos transplantes, como faz Cristina Garrido com as córneas que consegue retirar em processo de dor e sofrimento, nos implantes, como o coclear que vem de ser feito em um neto meu, em Brasília, por equipe chefiada pelo doutor Fayez, tudo isso representando a devolução da dignidade humana e construindo futuros.


Infelizmente, à custa de vidas e da destruição de sonhos, a guerra também se modernizou, mudando a construção da capacidade bélica de quem pode pagar, tudo que assusta e submete. E como a capacidade inventiva do homem não tem limite, nem ordem, robôs que auxiliam na produção industrial, diminuindo custos e preços, e na medicina dos centros cirúrgicos, são também usados para a maldade das notícias falsas, espalhando a ofensa, o medo, a insegurança e o desequilíbrio.


Pergunta: Conselho para quem quer ser um vencedor?


R: Certa vez eu disse, em colóquio com estudantes, que o primeiro caminho para vencer é fazer-se digno da vitória. A crença em sua própria capacidade, a humildade que lhe permita compreender caminhos já trilhados e que o conduza a reconhecer sucessos que lhe sejam apresentados são formas de preparar-se para vencer.


Naturalmente que acreditar em força superior conduz ao conhecimento de valores que se superpõem aos eticamente reprováveis, que devem ser desprezados. Crer em suas próprias possibilidades encoraja, certamente, à ousadia, elemento fundamental à vitória. Os que temem não costumam sair do lugar e os que, ousando, desrespeitam, até podem ter a ilusão de parecer, mas jamais vencerão. Ousar e respeitar é, para mim, binômio de quem quer ir em frente e vencer.


P: Religião?


Resposta :Religião: Sou cristão, aquele que crê nos ensinamentos de Jesus Cristo, para mim a maior autoridade, até hoje, nas ciências que estudam e regulam a convivência humana. Pecador, não me considero cumpridor assíduo de todos os ensinamentos por ele deixados, mas tenho o privilégio de encaminhar diariamente, a centenas de amigos, o Evangelho do dia, que a mim me oferece, com absoluto rigor de pontualidade, meu amigo Pedro Carvalho, ex-Secretário Nacional de Transportes.


Em razão do que aprendi na casa de meus pais, creio na vida do espírito e na reencarnação como forma de aperfeiçoamento para caminho novo, mas não sou, não por descrença, como acho que deveria ser, estudioso da doutrina de Kardec.

Pergunta: Família?

R: Núcleo inicial da convivência humana, como regra, a família desempenha, a meu juízo, papel essencial na formação do caráter do indivíduo, desde os tempos primeiros de sua existência. Os que chegaram antes, pais, tios, avós, irmãos, constituem-se em exemplos que o educando costuma copiar, ou imitar, repetindo gestos e ações involuntárias ou desejadas e até programadas.


Não há, aqui, nenhum discurso lombrosiano, não estando eu a dizer que a influência familiar é inevitavelmente responsável pelo processo de criação e educação, mas penso que a convivência diária ajuda a construir, porque creio que o desenvolvimento da formação inclui, com qualquer nível de importância, a repetição, a reprodução de atos e atitudes a que se assiste.


Não estou afirmando, seguramente, que o erro fará o erro, ou que o bem fará o bem, como se algo matematicamente se comportasse aí. Mas creio, firmemente, que é no ambiente primário que se pode ajudar a criar defesas eventualmente necessárias contra influências indesejáveis da convivência externa.


Disto assim falo porque tenho comigo, tanto tempo depois, valores que se fundam no que aprendi da vida em comum de Sebastiana e Lourenço.


Todos nós fomos para o magistério, seguindo a mestra. Todos nos demos ao hábito de escrever e discursar, copiando Lourenço, o comandante. Além disso, quase todos seguimos João, o primogênito, que acabou por influir na formação de uma família de mais de 30 bacharéis em Direito, área de conhecimento escolhida por meus 3 filhos, seguindo a mim, Procurador do Estado, e a Raquel, a mãe, Defensora Pública.

P: Mulher no mercado de trabalho?

R: Mulher no mercado de trabalho: Sou filho, o 4º, de uma mulher que dedicou sua vida ao magistério, até os 98 anos, quando chamada para outro lugar. Menino ainda, encontrei-a professora de escola pública e tive o privilégio inenarrável de ser seu aluno. Eram 3 suas irmãs e todas, Maria Rita, Gasparina e Alayde, foram servidoras públicas, da área da saúde ou do Judiciário, até à aposentadoria.


Isso faz que a participação feminina na formação da força de trabalho seja, para mim, absolutamente natural, ainda que saiba, por dever científico, de todas as restrições historicamente impostas à mulher, que não podia aprender a ler, que não podia votar, que não tinha direito, enfim, à cidadania Minha vida pública de mais de 50 anos inclui, sem favor qualquer, a participação feminina, nas Secretarias de Estado que dirigi, na Universidade que ajudei a criar e que fui o primeiro a comandar, e posso afirmar que para mim jamais houve diferença qualquer na capacidade de servir, de pensar, de construir, de ser, de fazer.


Por tudo isso afirmo que somente detestável hipocrisia, para dizer o mínimo, terá construído no Brasil cenário social capaz de exigir lei que obrigue a tratamento isonômico no trabalho feminino em relação ao masculino.

Defina riqueza, sucesso e prosperidade

Resposta: Hoje, 24 de novembro de 2023, assisti a uma belíssima missa solene, transmitida pela televisão, em louvor ao transcurso do aniversário de 100 anos da médica que, em companhia de seu marido, criou e manteve, com dificuldades nem possíveis de imaginar, o que chamou de Hospital do Amor, no município de Barretos, estado de São Paulo, onde foram e continuam sendo tratadas milhares de pessoas atingidas pela maldição do câncer.


Exemplo maior, dignificante, absoluto, de amor ao próximo, de entrega, de dedicação, de desvelo, e ali estava presente, na beleza de seu rosto vivo e puro, a mostra mais significativa da riqueza de se dar.


Madre Tereza, irmã dos pobres em Calcutá, ensinou que ser rico não é, necessariamente, ser abastado, e assim fez, igualmente, Irmã Dulce, a primeira santa brasileira.


Não estou a pregar o hábito franciscano, porque admiro profundamente todos os que, com trabalho digno, dedicação e competência, constroem riqueza material, homens e mulheres de sucesso naquilo a que se dedicam. Estou a dizer, certamente, que a riqueza que se mede fisicamente por patrimônio legitimamente construído não é a única forma de construir sucesso e prosperidade no tempo de permanência na vida humana


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *