fbpx

Labverde finaliza programa de residência ‘Ecologias Especulativas’

Projeto levou 13 artistas para “um mergulho na Amazônia”

Eles passaram 10 dias entre as populações ribeirinhas do rio Negro

Explorando os limites artísticos com a promoção de experiências autênticas e confronto entre disciplinas, envolvendo as artes, as ciências, os saberes tradicionais e a natureza, o programa “Ecologias Especulativas” terminou neste domingo (13), reunindo um grupo singular e criativo composto por 13 artistas provenientes da Amazônia, do Brasil e de várias partes do planeta. O grupo embarcou no dia 3 de agosto em uma verdadeira imersão em residência artística pelo maior bioma natural da Terra, a Amazônia.

Novos conteúdos

Promovido pelo LABVERDE, o programa tem curadoria da pesquisadora amazonense Lilian Fraiji, e visa promover a criação de novos conteúdos artístico e culturais sobre as questões socioambientais, gerados pelo conhecimento teórico, experiência prática e pela troca profissional na Floresta. Durante 10 dias, os artistas, ativistas, antropólogos, filósofos, ecólogos e agentes de conhecimento tradicional, estiveram reunidos para trocar conhecimentos e promover novas abordagens para a promoção da justiça climática na Amazônia.

Patrocínio

A imersão contou com o patrocínio da Natura Ekos. Além da experiência em campo, o grupo também participou de uma série de palestras, workshops, expedições e debates para aprofundar seu conhecimento sobre a diversidade sociobiológica da Amazônia e contextualizar a Região em um cenário global na era do Antropoceno, era geológica marcada pelas transformações humanas na formação da terra.

O que é o Labverde

O Labverde Ecologias Especulativas é um programa de imersão artística, com duração de dez dias, na Floresta Amazônica para estreitar a relação entre a natureza, a arte e as ciências e discutir o papel da cultura na conscientização das questões socioambientais da Amazônia.


O programa foi desenvolvido em colaboração entre a produtora cultural Manifesta Arte e Cultura e o Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (INPA).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *