IBGE aponta queda de -1,5% no comércio do Amazonas em julho

Pesquisa mensal indica crescimento do setor em todo o país de 1,2%

Índices refletem medidas restritivas e aumento do comércio c

A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), divulgada nesta sexta-feira (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponta que o volume de vendas do comércio varejista do país cresceu 1,2% em julho, o que é um recorde na série histórica iniciada em 2000, sendo a quarta alta mensal consecutiva. A pesquisa é feita comparando o crescimento em relação às vendas registradas no mês anterior.
O cenário no Amazonas, no mês de julho, não é semelhante ao nacional, segundo a PMC. Entre as 27 unidades da federação, 19 tiveram avanço nas vendas do comércio em julho, mas o Amazonas ficou entre os três que tiveram quedas maiores: Minas Gerais (-2,1%), Rio Grande do Norte (-1,5%) e Amazonas (-1,5%). Com alta de 17,5%, o setor de Rondônia foi o destaque, seguido por Santa Catarina (12,5%) e Paraná (11,1%).

Série de 2021

Na série histórica de 2021, o Amazonas registrou queda de -29,7% em janeiro, depois, em fevereiro, teve resultados positivos em 14,2%, em março houve crescimento de 14,9%, em comparação ao mês anterior. Nesse mês, as vendas do comércio do Amazonas bateram o recorde nacional de crescimento, com o maior índice alcançado.
Em abril foi positivo de 7,4%, maio 4,3% e, em junho houve queda de -1%, aumentando para -1,5% em julho.
Mudanças no consumo ocorreram em todo o mundo, não apenas no Brasil, em função das restrições causadas pela pandemia de Covid-19 e do aumento significativo do varejo eletrônico (vendas pela internet).

Varejo ampliado

Já no comércio varejista ampliado (aquele que inclui venda de veículos e motocicletas, partes e peças e materiais de construção), a variação positiva em julho foi seguida por 15 unidades da federação, diz o IBGE, com destaque para Santa Catarina (6,7%), Paraná (6,2%) e Mato Grosso do Sul (5,3%).
Nesse setor, as quedas ficam para Maranhão (-2,6%), Rio Grande do Norte (-2,2%) e Sergipe (-2,2%).


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *