Ibama aplica mais de R$ 1 milhão em multas em quem produziu “fumaceiro”

Municípios do entorno da BR-319 continuam desmatando e queimando

Mais de 400 hectares foram embargados em Autazes e Manaquiri (ver vídeo)

Alessandra Luppo
Da redação do ÚNICO

Balanço parcial da Operação Dríade, divulgado nesta terça-feira (12) pelo Ibama do Amazonas revela que produtores rurais dos municípios do entorno da BR-319 continuam desmatando e, em muitos casos, produzindo as queimadas que em outubro e novembro sufocaram Manaus e outras cidades da Região Metropolitana.

O superintendente do órgão, Joel Araújo, confirmou que Autazes, Manaquiri e Careiro Castanho “colaboraram fortemente na emissão de fumaça que cobriu Manaus no período do verão”.

Multas

A operação, realizada em conjunto com o Batalhão de Policiamento Ambiental da Polícia Militar, flagrou aproximadamente 500 hectares de desmatamento ilegal em Autazes e Manaquiri.

Em nove dias de operação foram aplicadas nove multas cujo valor ultrapassa R$ 1,3 milhão, disse Araújo.

Pressão do agro

Segundo o superintendente, boa parte da circunscrição de Autazes possui terras indígenas (T.I.) homologadas e em processo de demarcação ou estudo e está sofrendo pressão da atividade agropecuária, com a retirada da vegetação nativa.

Os produtores abrem grandes clareiras na floresta para plantio de áreas de pastagem para gado bovino.

Além das multas, mais de 462 hectares de área degradada foram embargados para promover a regeneração natural.

Os municípios da BR-319 concentram 40% dos focos de calor durante a temporada do fogo no Amazonas. De agosto a novembro de 2023, o estado teve mais de 17 mil focos de calor.

Desses, mais de 7 mil focos de calor foram registrados em 12 municípios da área de influência da BR.
Confira o vídeo com imagens de mais queimadas na área fiscalizada:

Com informações do Ibama/AM


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *