Augusto-Bernardo-Cecílio-e1583413304424
A escola na construção da cidadania

Por: Augusto Bernardo Cecílio

Auditor fiscal e professor

Há 20 anos

Faculdade-de-Jornalismo

No dia 18 de dezembro de 2003 fiz minha estreia como articulista semanal no Jornal O Estado do Amazonas com o artigo “O público e o privado”, um texto tão atual vinte anos depois. Para comemorar essa data, nada melhor do que expressar gratidão a todas as pessoas que fizeram e fazem parte dessa trajetória.

Aos Jornais do Commercio e Vanguarda do Norte, que publicam os meus artigos nas quintas, ao Jornal Em Tempo, que já publicou durante muitos anos, aos portais que publicam sistematicamente os meus textos. Aos que tem em mim uma fonte de credibilidade, os meus mais sinceros agradecimentos.

A minha gratidão à minha família, aos leitores e aos jornalistas, parceiros nessa caminhada. A Eledilson Colares (que infelizmente partiu durante a pandemia pelo lamentável e revoltante fato de somente Manaus possuir UTI), irmão fraterno que me incentivou a dar os primeiros passos como articulista e que viu a importância de mostrar o papel social do Fisco e da Educação Fiscal ao grande público.

Ao querido amigo e irmão Marcos Santos, que me convidou e foi o meu primeiro editor, a Osmir Medeiros que me fez o segundo convite para o jornal mais antigo do Amazonas, e a Fred Novaes (JCAM), meu editor. Ao jornalista Henrique Xavier e ao inesquecível professor João Bosco Araújo, autores do convite que me levou ao Em Tempo, tendo Thiago Botelho como editor.

Meus agradecimentos ao jornalista e escritor Aldísio Filgueiras e a Júlio Guimarães. Aos colunistas Fernando Coelho Jr., Betsy Bell, Carlos Aguiar, Liduína Moura e Júlio Ventilari, minha gratidão. E a tantos outros não citados, mas a quem reverencio.

Aos amigos e parceiros Flávio Albuquerque, Jonas Santos, Robson Carvalho, Claudio Barboza, Fábio Costa, Leandro Ribeiro e Isac Sharlon, a minha gratidão e o meu reconhecimento por me permitirem fazer parte das suas histórias.

Pois bem, revendo o passado, é gratificante ver a grande quantidade de artigos publicados nos jornais citados, além de jornais de outros estados, tais como o Correio Braziliense (DF), O Povo (CE), Gazeta de Alagoas (AL), A Crítica (MS), e revistas da Febrafite, Efiscal, Arrecadação em Foco (Astate), no livro Educação Fiscal e Cidadania (CE), bem como no livro Outros Olhares Sobre a Educação Fiscal (AM), além de citações em monografias e Trabalhos de Conclusão de Cursos (TCC).

Publicações semanais nos portais do Amazonas bem como nos sites da Febrafite, Afisvec (RS), Fiscosul (MS), Aafit (DF), Esaf, Sefaz-AM, Sefaz-PE, Sefaz-RJ, Sefa-PA, Editor Fiscal, asimplicidadedascoisas.wordpress.com, Affeam, Sindifisco-AM, Sindicato dos Fazendários do Ceará, servidorpblicofederal.blogspot.com, Sindireceita, blogdoafr.com, dentre outros.

Em defesa dos servidores, o artigo “Servidores públicos, reajam!”, por exemplo, percorreu o Brasil em menos de dois dias e foi publicado em muitos sites e na Folha do Servidor Público-SP, com uma tiragem de 237.500 exemplares.

Em vinte anos levei ao público temas de urgência social, tais como Educação Fiscal e Cidadania, Educação para o Trânsito, Educação Ambiental, Educação Sexual, Cooperativismo, assuntos preocupantes como tabagismo, alcoolismo e drogas, assédio moral, agressão às mulheres e feminicídio, discriminação e preconceito, combate ao vandalismo e à depredação do patrimônio público e particular, sonegação, pirataria, contrabando e descaminho, dívida pública brasileira, voto consciente e responsável, agressão aos animais, pedofilia, dentre outros.

Como auditor, foquei em temas distantes da população como a função socioeconômica do tributo, a razão da existência dos impostos e o que devemos cobrar como contrapartida, a importância de se exigir a Nota Fiscal nas suas compras e serviços e os trabalhos desenvolvidos pela Sefaz.

Como professor, mostrei a importância dos mestres e condenei sistematicamente a falta de reconhecimento, as agressões, as ameaças e os números alarmantes de atentados contra a integridade física e psicológica dos docentes.

Foi assim, somando os incentivos, multiplicando apoios e dividindo o meu tempo com a família, trabalho, amigos e leitores que se passaram os últimos 20 anos, de uma longa e gratificante jornada.


Qual sua Opinião?

Confira Também