Governo Lula vai reconhecer situação de emergência do Amazonas

Ministro aguarda comunicação oficial do Governo do Estado

Waldez Góes disse ao ÚNICO que vai reconhecer ‘sumariamente’

Valéria Costa
Correspondente

Brasília (ÚNICO) – Na última terça-feira (12), o governador Wilson Lima (União) decretou situação de emergência no Amazonas por conta da forte estiagem e do desmatamento ilegal no Sul do Estado que tem contribuído com este cenário. O decreto é válido por 90 dias e vai abranger 22 municípios, incluindo a capital amazonense.


O governo federal aguarda a comunicação oficial do governo do Amazonas para ratificar a situação de emergência e enviar ajuda humanitária ao Estado.

Sumariamente

Em conversa com o ÚNICO, o ministro do Desenvolvimento Regional, Waldez Góes, disse já ter ciência da situação crítica do Amazonas e orientou o governador Wilson Lima a homologar e decretar a emergência ambiental na região e enviar a informação para que o ministério faça a sua parte.
“Vamos reconhecer sumariamente e publicar no Diário Oficial da União (DOU) e, assim que isso acontecer, vamos atuar em conjunto: governos federal, estadual e municípios com a ajuda humanitária e o restabelecimento e reconstrução”, disse o ministro.


Até o final da tarde de ontem (14), o ministério ainda não havia recebido a comunicação oficial do Amazonas.

Reação

A reportagem procurou a bancada federal do Amazonas para repercutir a situação de emergência ambiental no Estado, mas apenas o deputado federal Silas Câmara (Republicanos) deu retorno.
Ele disse ao ÚNICO que já protocolizou requerimentos no Ministério do Desenvolvimento Regional pedindo providências e atendimento aos municípios afetados. Também acionou os ministérios do Desenvolvimento e Assistência Social; da Pesca; do Trabalho; e até o Palácio do Planalto pedindo que os pescadores dos municípios mais afetados sejam atendidos com mais um período de 4 meses de seguro-defeso.


Silas também vai solicitar ao Planalto a possibilidade de se desenvolver um programa de liberação do FGTS para a população afetada destes municípios do Amazonas, a exemplo do que está sendo feito nos municípios afetados pelo ciclone extratropical, no Rio Grande do Sul.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *