fbpx

Festival Folclórico de Parintins começa nesta sexta-feira (24)

Dia histórico

Após uma paralisação de dois anos por conta da pandemia de Covid-19, o Festival Folclórico de Parintins retorna em 2022 com força total para a alegria dos amantes dos bois-bumbás Caprichoso e Garantido. A expectativa é a de que a cidade receba 100 mil visitantes para o festival, que está em sua 55º edição, e começa nesta sexta-feira (24).


De acordo com a ordem do sorteio, o primeiro a se apresentar na noite de abertura será o boi-bumbá Garantido, que entra na arena às 20h30 e termina às 23h. Logo em seguida, haverá uma pausa de trinta minutos.


A partir das 23h30, será a vez do boi-bumbá Caprichoso alegrar a torcida do touro negro. A apresentação terminará as 02h00. “Não são três dias de festa, é toda uma cadeia que movimenta um grandioso espetáculo, que traz gente de todo lugar do mundo para cá”, afirmou o presidente do Caprichoso, Jender Lobato.


Recomeço

Por sua vez, o presidente do Garantido, Antônio Andrade, afirmou que o retorno do Festival Folclórico de Parintins significa “um recomeço”. “Após dois anos voltamos, por nós mesmos e por aqueles que não conseguiram voltar. Estamos juntos para fazer aquilo que o povo parintinense sabe fazer com muita maestria que é essa belíssima festa”, disse o presidente.


Expectativa popular


Para a empresária da área de doces, Danielle Cristina Ramos da Silva, 42 anos, o retorno do Festival Folclórico de Parintins representa não somente a volta de uma grandiosa festa, mas, também, a retomada do crescimento da renda da família dela que foi afetada pela pandemia da covid-19. Segundo ela, a renda familiar já cresceu em torno de 80% com o festival de 2022. “A volta do Festival de Parintins foi um grande alívio, pois durante a pandemia tivemos que nos reinventar porque nossas finanças foram duramente afetadas. Meu marido, que é artista plástico, ficou sem trabalho, e na doceria tivemos que implantar o sistema de delivery. Porém, agora, conseguimos retomar plenamente nossas atividades”, declarou a empresária, que é torcedora do Caprichoso.


Graduado em Biologia, João Victor Martins, 24 anos, participa do Festival Folclórico de Parintins desde os 10 anos de idade. Ele afirmou que está contente com a volta do evento, não só pela festa em si, mas também por causa dos benefícios econômicos e culturais que o espetáculo proporciona. “O que move Parintins é o festival, que movimenta todos os setores, desde a economia até a parte cultural da cidade”, frisou.


Tradição na fila

O artista plástico Fábio Simões, 32 anos, e a esposa Christiane Rodrigues Ferreira, 41, foram os primeiros a chegar na fila para entrar no Bumbódromo de Parintins. Eles estão “acampados” desde as 11h30 da última quarta-feira (22).


Segundo Fábio, que já trabalhou no festival em anos passados e em carnavais no Rio de Janeiro, São Paulo, Argentina e Rio de Janeiro, neste ano, ele e a esposa vão curtir a apresentação do boi preferido deles – o Caprichoso -, da arquibancada. “Há oito anos, minha esposa chega para ser a primeira da fila. Já virou tradição”, afirmou o artista.


Por sua vez, a atendente de lanchonete, Karen Santos, 32 anos, chegou às 20h da última quarta-feira (22) para ser a primeira da fila da torcida do Boi Garantido. Ela afirmou que se sentia triste com a suspensão do Festival de Parintins por causa da pandemia da covid-19. “Vou evoluir com a galera e quero ver o Garantido dar espetáculo para ser campeão mais uma vez, enfatizou a atendente de lanchonete, que faz parte da torcida “Mancha Vermelha – O Louco Torcedor”.

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.