0239421d-8435-4f44-ba74-eaeb73e0574d
Na vida tudo é arte

Por: Luiz Thadeu Nunes de Silva

Engenheiro agrônomo e viajante do mundo

Do livro não me livro

original

Após uma semana, terminou no último domingo, 22/10, a 16ª edição da Feira do Livro de São Luís, a FELIS. Tem nome mais sugestivo para se falar de coisa boa como livro?


Sucesso de público, -mais de 50 mil pessoas estiveram na praça Maria Aragão, local escolhido para a feira.
Localizada no centro da cidade, à beira-mar, sob a imponente obra arquitetônica de Oscar Niemeyer, nosso arquiteto maior, a FELIS não poderia estar em local mais apropriado.
Nesta 16ª edição, a Feira do Livro homenageou o bicentenário de nascimento de Antônio Gonçalves Dias. Caxiense, nascido em 10 de agosto de 1823, morto em um naufrágio no dia 3 de novembro de 1864, aos 41 anos, na costa de Guimarães, município do Maranhão.


Gonçalves Dias, nosso poeta maior, foi homenageado em rodas de conversas, debates, lançamento de livros. Importante notar que a arte é eterna e persiste à passagem do tempo. Hoje, duzentos anos depois, estamos falando do homem Antônio Gonçalves Dias e de sua obra; daqui a duzentos as novas gerações que ainda virão, continuarão a falar do poeta e de seu legado.
Convidado pela Secretaria de Cultura do Município, organizadora do evento, relancei o livro “Das muletas fiz asas”.


Editado pela N’versos, de SP, do amigo Raimundo Araújo Gama, médico e editor, colega de turma do Colégio Batista, radicado na capital paulista, já havia sido lançado na livraria AMEI, em São Luís e na livraria Martins Fontes, na avenida Paulista, em São Paulo.
No livro conto um pouco de minha trajetória, desde o grave acidente automobilístico que sofri em julho de 2003, as 43 cirurgias que me submeti, a via dolorosa até me adaptar às muletas e sair pelo mundo.
A Feira do Livro é um grande acontecimento literário, de projeção nacional, onde reúnem-se amigos, e se faz novos. Local de troca.


Assim, no final da tarde do dia 20/10, sexta-feira, estava a falar do livro para uma atenta plateia, autografando os exemplares. Juntamente comigo nove autores lançaram suas obras.
A alegria de quem escreve é o retorno de quem lê, e assim pude interagir com pessoas que não conhecia, mas que me conhecem através das crônicas e artigos que escrevo semanalmente, sendo publicados neste JP e em mais 21 jornais, blogs e Portais de notícias de norte a sul deste imenso país.
Uma alegria saber que a venda de livros físicos cresce a cada ano. Este ano, segundo a Câmera Brasileira do Livro espera-se um crescimento de 7%.


Em um mundo tão conturbado, cheio de ódios e guerras, com cheiro de morte espalhado no ar, falar de literatura é um bálsamo.
Ler aguça os sentidos, amplia os horizontes, mostras diferentes ideias e perspectivas, e nos torna seres humanos melhores. O livro emociona, faz rir e chorar; nos faz viajar pelo mundo, sentado no sofá de casa, no ônibus, ou em banco de praça.


Quem lê cria memórias, amplia horizontes. Quem não lê só tem uma vida, quem lê tem várias.
Como disse a escritora Clarice Lispector, “Há um livro dentro de cada um de nós, basta tirá-lo”. O primeiro que tirei foi “Das muletas fiz asas”, outros estão prestes a voar.
O livro é uma boa companhia, nos transporta para o mundo. Além de silencioso, e não incomodar quem está ao lado, não precisar de Wi-Fi. Por tudo isso, do livro não me livro, nunca.


Qual sua Opinião?

Confira Também