Defesa Civil prevê seca antecipada neste ano

Efeitos da estiagem podem surgir já em julho

Redução do nível do Solimões vai gerar efeito cascata

Alessandra Luppo
Da redação do ÚNICO

O início do período da estiagem no Amazonas deve se antecipar em pelo menos 30 dias em relação ao que normalmente acontece (a partir de agosto). A previsão é do secretário da Defesa Civil do Amazonas, coronel Francisco Máximo, que considera que a seca começará cerca de 30 dias antes, com impactos sendo sentidos já no mês de julho.

A avaliação do secretário é decorrente da observação do regime das águas nas calhas do Amazonas. Na bacia do Solimões, por exemplo, ele apontou que houve desaceleração nos níveis de água entre fevereiro e abril.

Além disso, em Tabatinga (a 1.114 km de Manaus), houve redução de 37 centímetros no nível do rio Solimões, indicando que a vazante na Amazônia peruana e brasileira se antecipou. Pelo efeito cascata, as bacias do médio e baixo Solimões e do rio Amazonas também serão afetadas.

Medidas preventivas

O secretário da Defesa Civil destacou também que o governo está trabalhando em um Plano de Ação para enfrentar os impactos da seca deste ano, que pode ser maior que a de 2023, abastecendo as comunidades ribeirinhas com água potável, insumos e medicamentos.

A Defesa Civil do estado também tem realizado reuniões com setores como indústria e comércio, poderes públicos, empresas de telecomunicações e concessionárias de água e energia para fornecer informações e coordenar ações de prevenção diante da possibilidade de outra severa estiagem em 2024.

Com informações da assessoria


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *