Defesa Civil: “Amazonas vive estado de emergência climática permanente”

Secretário alerta para aumento dos desastres mais severos

Ele falou em sessão especial na Assembleia Legislativa

Uma cessão de tempo de autoria do deputado Comandante Dan (Podemos) deu voz na tribuna do parlamento estadual ao coronel Francisco Máximo, secretário da Defesa Civil do Amazonas. O tema da fala tratou sobre as medidas que o governo do estado adotará para a próxima vazante, que acontece no segundo semestre do ano.

“Todos os prognósticos das instituições com competência técnica sobre o assunto apontam para uma nova seca recorde, consecutiva à do ano passado; não podemos esperar de braços cruzados que a tragédia aconteça, para tomarmos medidas paliativas; precisamos de uma ação preventiva”, declarou o deputado.

Estado permanente

O Secretário da Defesa Civil afirmou que, em razão das mudanças climáticas, que atingem todo o planeta, “estamos vivendo um estado de emergência climática permanente, e não sazonal”. Dentro desses novos cenários, os desastres hidrológicos e climatológicos serão mais severos e mais frequentes.

Estratégias

Coronel Francisco Máximo apresentou as estratégias já adotadas pelo executivo estadual quanto à vazante, desde de programas de renda mínima às populações possivelmente mais vulneráveis ao fenômeno, ao combate antecipado das queimadas da floresta.

Segundo ele, “o governo toma a iniciativa, mas ele precisa de parceiros, porque o enfrentamento das mudanças climáticas é uma missão coletiva; se assim não o for, não seremos bem sucedidos”. Ele destacou a necessidade do monitoramento tecnológico na prevenção dos fenômenos: “sem isso, não conseguiremos tomar decisões que sejam efetivas”.

O deputado Comandante Dan considerou que se faz necessária uma nova abordagem ao problema: “não é apenas a próxima vazante, é o estado permanente do clima no Amazonas, com seus desastres mais frequentes e de maior intensidade; por isso precisamos ver a prevenção refletida nas leis de diretrizes orçamentárias, nas leis orçamentárias anuais, nas emendas parlamentares,etc”.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *