Defensoria faz vistoria na operação de retirada dos flutuantes

Defensores vão mapear consumo, meio ambiente e mais 5 áreas

Apenas os flutuantes abandonados estão sendo retirados

A Defensoria Pública do Amazonas informou, nesta terça-feira (2), que criou um Grupo de Trabalho (GT) para acompanhar o processo de retirada dos flutuantes do Tarumã-Açu, composto por sete promotorias.

Vão atuar no caso os promotores da Defesa do Consumidor, das Áreas de Interesses Coletivos, da Promoção e Defesa dos Direitos das Mulheres, da Defesa dos Direitos Relacionados à Saúde, da Infância e Juventude, da Moradia e Fundiário e da Promoção e Defesa de Direitos Humanos / Meio Ambiente e Questões Agrárias.

O GT realiza na tarde de hoje a primeira visita ao local para fazer um levantamento das vulnerabilidades dos moradores da região.

Defesa do Consumidor

O defensor Christiano Pinheiro, do Núcleo de Defesa do Consumidor (Nudecon), explica que o grupo “vai atuar em diversas frentes, analisando as vulnerabilidades que existem na localidade”.

“No campo de atuação do Direito do Consumidor, vamos considerar a cadeia de consumo que existe ali. Há bares, restaurantes e pessoas que moram e, além de residirem, exploram uma atividade econômica”.

“Há uma gama de cadeia de consumo que precisa ser mapeada para que essas pessoas possam ter sua lucratividade e o seu meio de vida preservados”, explicou Christiano Pinheiro.

Ordem de retirada foi suspensa

A ordem de retirada dos flutuantes ocupados foi suspensa liminarmente no último dia 20 pelo juiz do caso, Glen Hudson Paulain Machado, da Vara Especializada do Meio Ambiente da Comarca de Manaus, a pedido da Defensoria.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *