Conselho Regional alerta para o extinção da profissão de economista no AM

Queda de registros e alta na inadimplência indicam riscos

Os pedidos de novo registros também estão em queda

O Conselho Regional de Economia do Amazonas (Corecon-AM) por meio da Comissão de Valorização Profissional emitiu nesta semana uma nota técnica que traz dados preocupantes para os economistas do Estado. O estudo evidencia a crescente queda do registro profissional dos economistas, que pode tornar-se extinta no Amazonas devido à baixa de registros ativos e de adimplentes.
Conforme levantamento do Corecon-AM, de 2015 para 2022 o número de registros de economistas ativos caiu 16,4%, saindo de 1.864 para 1.559. Até 2025, estima-se que a quantidade de registros ativos seja de 1.337.

Inadimplência

Dos 1,5 mil economistas com registro ativo, metade dos profissionais estavam inadimplentes no Corecon-AM até o final do ano passado, ou seja, possuíam cobranças em aberto em relação às suas anuidades. Entre 2015 e 2022, o número de economistas adimplentes obteve redução de 33,6%, saindo de 1.110 para 737.
Nesse mesmo período, a média de cancelamentos de registro foi equivalente a 56,5 suspensões por ano. Em 2022, o número foi acima da média, com 65 pedidos de cancelamento do registro. Entre os motivos, as três principais razões autodeclaradas foram aposentadoria, atuação em outra profissão e desemprego permanente.

Novos registros

Já os pedidos para novos registros obteve tendência decrescente de 2015 a 2021, ano que apenas 9 novos economistas foram registrados. Em 2022, o número subiu para 27. O ano de 2015 foi o que teve mais novatos na profissão, 322, resultado que pode estar relacionado à finalização de turmas da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) em municípios no interior.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *