Cientistas da Fiocruz analisam água do território Yanomami do Amazonas

Pesquisadores avaliam reserva em São Gabriel da Cachoeira

A situação no Amazonas é diferente da de Roraima, dizem eles

Brasília (ÚNICO) – Pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) anunciaram que estão buscando uma solução para o abastecimento de água limpa para os povos indígenas Yanomami que habitam o território amazonense.
O trabalho, que envolve cientistas de diversas especialidades, como biólogos, engenheiros sanitaristas e médicos, contou, neste ano, com visita técnica a duas aldeias na Terra Indígena Yanomami Maturacá, no município de São Gabriel da Cachoeira, no Amazonas. Os pesquisadores coletaram amostras da água consumida pelos indígenas nos rios, poços e sistemas pluviais, além de peixes dos arredores, e conduzirão um trabalho educativo e de discussão para que as aldeias possam melhorar sua estrutura de saneamento.

Desnutrição crônica e aguda

O ponto de partida do trabalho foi o levantamento feito pelo médico e pesquisador da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (Ensp/Fiocruz) Paulo Basta, que, entre 2018 e 2019, investigou a saúde alimentar das crianças menores de cinco anos em duas regiões da terra Yanomami: Awaris, no extremo norte de Roraima, e Maturacá, no Amazonas.
O estudo mostrou que 81,2% das crianças observadas tinham baixa estatura para a idade, um indicador de desnutrição crônica; 48,5% tinham baixo peso para a idade, o que aponta para desnutrição aguda; e 67,8% estavam anêmicas. O médico é o coordenador do trabalho realizado agora, que tem a qualidade da água como uma de suas prioridades.

Diferenças

“A situação de cada aldeia é distinta. A situação do Amazonas não é a mesma de Roraima, onde houve um colapso sanitário e humanitário. Nas aldeias que nós vimos, existe um problema sanitário, existe uma série de deficiências. Mas observamos que está havendo um fortalecimento da Sesai [Secretaria Especial de Saúde Indígena], do DSEI [Distrito Sanitário Especial Indígena] no sentido de resolver esses problemas, que não são recentes, mas que foram muito agudizados durante o governo Bolsonaro”, disse Paulo Basta.

Com informações da Agência Brasil


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *