Casamento coletivo de indígenas marca ‘Registre-se’ no AM!

271 casais indígenas celebraram matrimônio em ação do CNJ

Ação faz parte de programa de enfrentamento ao sub-registro civil

O casamento de 271 casais indígenas marcou a segunda edição da “Semana Nacional do Registro Civil – Registre-se!” no extremo Oeste do Amazonas. A cerimônia ocorreu na última terça-feira (14), às 15h, e foi prestigiada pelo corregedor nacional de Justiça, Luis Felipe Salomão, além de outras autoridades do Poder Judiciário e do Governo do Amazonas.

O Registre-se é promovido pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em todo o país até a sexta-feira (17/5). A ação é voltada para inclusão social e para a ampliação do acesso à cidadania, possibilitando a expedição de RG, CPF, certidões (nascimento, casamento e óbito), entre outros documentos.

Neste ano, além dos indígenas, as atividades destacam o atendimento às pessoas privadas de liberdade, em especial, indivíduos em processo de reintegração após deixarem o sistema prisional.

O ministro Salomão chegou a Tabatinga na terça-feira (14) e seguiu para a comunidade indígena Belém do Solimões, onde foi programado o “sim” coletivo dos casais, a maioria do povo Ticuna.

Com cerca de 8 mil moradores, a localidade está a 12 quilômetros da sede do município de Tabatinga, distante mil quilômetros da capital manauara. Para assegurar que os noivos possam compreender e participar plenamente da cerimônia, dez tradutores cedidos pela Funai estiveram presentes, auxiliando aqueles que não falam português.

Houve também atividades do Registre-se! na capital do estado, Manaus, e nos municípios de Barcelos, Benjamin Constant e Tabatinga. O atendimento à população carcerária será realizado em parceria com a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) em atividade específica com esse grupo.

Sobre o ‘Registre-se!’

O Registre-se! tem como objetivo a erradicação do sub-registro civil de nascimento e ampliação ao acesso à documentação civil básica a todos os brasileiros.

A iniciativa contribui para o resgate da cidadania de brasileiros que se encontram invisíveis na sociedade por não possuírem a certidão de nascimento. Conta com a parceria da ARPEN BRASIL e com os Registradores Civis, Ministério dos Povos Indígenas, Ministério dos Direitos Humanos e FUNAI. Aos beneficiários das ações, também foi emitida a documentação necessária ao pleno acesso à educação, saúde, previdência, auxílios governamentais, dentre outros.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *