Amazonas é corredor do minério mais retirado de Terras Indígenas

Saiba qual é o “ouro negro” dos garimpos ilegais na região Norte

Operação da PF investiga Alexandre Pires e prende empresário do cantor

Alessandra Luppo
Da redação do ÚNICO

Nesta segunda-feira o nome do pagodeiro Alexandre Pires ganhou as manchetes nacionais, mas não era música nova. Era suspeita de participação num esquema de lavagem de dinheiro conseguido por meio de garimpo ilegal no estado de Roraima. O empresário de Pires e produtor musical, um dos sócios da empresa Opus Entretenimento, Matheus Possebon foi preso. Alexandre foi ouvido na PF e liberado em seguida.

Ouro negro

Mas que tipo de mineral os contrabandistas e garimpeiros ilegais estão extraindo de Roraima – com grande parte passando pelo Amazonas via BR-174. como confirmam apreensões da Polícia Rodoviária Federal? Apesar de parecer óbvio, não é o ouro. A cassiterita é o objeto de interesse dos contrabandistas.
De acordo com a PF, o esquema dos investigados consistia em usar documentos falsos para alegar que o mineral era extraído de uma mina no Pará, mas na verdade ele era retirado da Terra Indígena Yanomami, em Roraima.

Para que serve o mineral

A cassiterita é a matéria-prima do estanho, metal nobre que é usado na fabricação de smartphones e tablets, por exemplo, que contam com o elemento na composição do material da tela, e internamente nas placas de circuitos eletrônicos. O estanho compõe ainda o revestimento interno de enlatados, é parte na fabricação de fungicidas e usado na indústria para formar ligas, como bronze, latão e soldas. A tonelada no mercado internacional já superou os US$ 40 mil — quase R$ 200 mil.

Apreensões no Amazonas

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), as apreensões de cassiterita são mais frequentes no Norte, onde estão localizadas as maiores reservas do minério: Amazonas, Rondônia e Roraima.
E a logística tem espalhado as cargas por diversos pontos do Estado. Em janeiro deste ano, uma carga de cassiterita foi apreendida em Humaitá (a 696km de Manaus). Em março a PRF apreendeu na BR-174, estrada que liga Manaus a Boa Vista (RR) um carregamento com mais de 6 toneladas do minério.
No ano passado, houve apreensões no Porto de Manaus – 60 toneladas – que segundo a polícia, pertencia a um grupo empresarial chinês, mas estava sem a documentação legal. Em outubro do mesmo ano, foram apreendidas oito toneladas de cassiterita , em um caminhão no km 925 da BR-174, no Amazonas.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *