fbpx
A Previdência Social não tem déficit!

Coluna:

Por: Robson Roberto

A Previdência Social não tem déficit!

Previdência Social

Desde 1989 nunca se cumpriu rigorosamente o que reza a Constituição, no que diz respeito ao financiamento da Seguridade Social, da qual a Previdência é parte. A parcela que cabe ao governo não é considerada, o que serve para alardear um falso déficit e justificar mais ‘reformas’ com corte de direitos.

As conquistas do movimento social das décadas de 1970 e 1980 contrariaram os interesses dos detentores da riqueza. Em grande medida, isso se devia ao fato de que mais de 10% do gasto público federal em relação ao PIB passou a ser vinculado constitucionalmente à Seguridade Social.

Desde a Assembleia Nacional Constituinte até os dias atuais, esses setores desenvolvem ativa campanha difamatória e ideológica orientada para “demonizar” a Seguridade Social e, especialmente, o seu segmento da Previdência Social, cujo gasto equivale a 8% do PIB.
Nesta campanha prepondera o vale-tudo para recapturar esses recursos. Em flagrante confronto com a Constituição da República, especialistas esforçam-se para “comprovar” a inviabilidade financeira da Previdência, para justificar nova etapa de retrocesso nesses direitos.
O objetivo deste artigo é assinalar que não existe déficit na Previdência, caso seja considerado o que a Constituição da República Federativa do Brasil manda fazer e o modo como determina que sejam executados os procedimentos.
O modelo tripartite de financiamento da Seguridade
A Seguridade Social é ao mesmo tempo o mais importante mecanismo de proteção social do País e um poderoso instrumento do desenvolvimento. Além de transferências monetárias para a Previdência Social (Rural e Urbana), contempla a oferta de serviços universais proporcionados pelo Sistema Único de Saúde (SUS), pelo Sistema Único de Assistência Social (SUAS), pelo Sistema Único de Segurança Alimentar e Nutricional (Susan) e pelo Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), com destaque para o programa seguro-desemprego.
Para financiar a Seguridade Social (artigo 194 da Constituição Federal), os constituintes de 1988 criaram o Orçamento da Seguridade Social (artigo 195), um conjunto de fontes próprias, exclusivas e dotadas de uma pluralidade de incidência.
As contribuições sociais pagas pelas empresas sobre a folha de salários, o faturamento e lucro, e as contribuições pagas pelos trabalhadores sobre seus rendimentos do trabalho integram esse rol exclusivo de fontes do Orçamento da Seguridade Social, com destaque para:
– Receitas da Contribuição previdenciária para o Regime Geral da Previdência Social (RGPS) pagas pelos empregados e pelas empresas;
–  Contribuição Social sobre o Lucro Líquido das Empresas (CSLL);
– Contribuição Social Para o Financiamento da Seguridade Social, cobrada sobre o faturamento das empresas (Cofins);
– Contribuição para o PIS/Pasep para financiar o Programa do Seguro-Desemprego e para financiar os programas de desenvolvimento do BNDES, igualmente cobrada sobre o faturamento das empresas;
–  Receitas das contribuições sobre concurso de prognósticos e as receitas próprias de todos os órgãos e entidades que participam desse Orçamento.
Destaque-se que a CSLL e a Cofins foram criadas pelos constituintes para financiar os benefícios típicos da Seguridade Social (Previdência Rural, Benefício de Prestação Continuada e SUS, público, gratuito e universal). Essas contribuições estavam previstas no documento “Esperança e mudança: uma proposta de governo para o Brasil” (PMDB, 1982).
Com o Orçamento da Seguridade Social, os constituintes estabeleceram o mecanismo de financiamento tripartite clássico (trabalhador, empresa e governo, através de impostos) dos regimes de WelfareState.
Estudos realizados pelo IPEA (2006) demonstram que para um conjunto de 15 países da OCDE, em média, os gastos com a Seguridade representam 27,3% do PIB e são financiados por 38% da contribuição dos empregadores; 22% pela contribuição dos empregados; e 36% da contribuição do governo (por meio de impostos gerais pagos por toda a sociedade). Em cinco países (Dinamarca, Irlanda, Luxemburgo, Reino Unido e Suécia), a participação do governo é relativamente mais elevada.
No Brasil, a contribuição estatal que deve integrar essas contas é muito pequena. Em 2012, de um total de R$ 317 bilhões utilizados para pagar benefícios previdenciários, as contribuições exclusivamente previdenciárias (empresas e trabalhadores) somaram R$ 279 bilhões (88% do total). A parcela estatal propriamente dita seria de apenas 12%, um montante muito inferior à terça parte (33%) que caberia numa conta tripartite.
Se nessa conta fossem consideradas as renúncias fiscais, outros R$ 22 bilhões comporiam as receitas previdenciárias, cabendo ao Tesouro tão somente complementar 5% do total das despesas previdenciárias. Uma conta insignificante, de R$ 16 bilhões, 0,33% do PIB (ANFIP, 2013).

O conteúdo deste artigo é de inteira responsabilidade do autor e não reflete, necessariamente, a opinião do ÚNICO

Qual sua Opinião?

Confira Também

O desaparecimento de três jovens de um bairro de Manaus

Eles sumiram no ano de 2016 quando voltavam de uma festa Foram abordados por uma viatura da polícia e nunca mais foram vistos Três jovens que voltavam de uma festa, foram abordados por uma viatura da polícia e desapareceram sem deixar vestígios. Essa é a história que Maíra Menezes conta no vídeo desta semana, como uma mais conteúdo da série Crimes e Visagens.

Leia Mais

Candidaturas femininas no Amazonas superam em 1% o total nacional

Em todo o país, as mulheres representam 33% das candidaturas, contra 67% dos homens Conheça quem são as mulheres nas disputas majoritárias neste ano Ricardo XavierPara o Portal ÚNICO A um dia do encerramento do prazo para o registro dos candidatos para as eleições deste ano, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já registra que 67% das candidaturas de todo o país são compostas pelo gênero masculino e 33%, pelo feminino. No Amazonas, a diferença é de apenas um ponto percentual, em relação à nacional, com 66% de homens e 34% de mulheres candidatos. Esses números ainda não são definitivos, porque

Leia Mais

Prefeito de Rio Preto da Eva desapropria terreno de R$ 2,8 milhões a “preço de banana”

Proprietários denunciam subvalorização, humilhação e “expulsão” de sua casa Prefeito foi pessoalmente com a polícia cumprir liminar de despejo da família (vídeos) Solange EliasPara o Portal ÚNICO A proprietária de um terreno localizado na entrada de Rio Preto da Eva (a 81 km de Manaus), Elany Celeste Costa Mouriere, pessoa doente e com uma prótese no crânio, foi despejada de seu imóvel, junto com seus familiares, na última sexta-feira (12), pelo prefeito do município, Anderson de Sousa (PP), que foi pessoalmente cumprir ordem emitida pelo juiz da comarca, Carlos Henrique Jardim da Silva, em forma de liminar. A dor de

Leia Mais