A dificuldade dos jovens de chegar ao mercado de trabalho

Formação técnica é diferencial que ajuda a vencer etapas

Desemprego atinge mais a faixa etária de 14 a 24 anos

Jovens entre 14 e 24 anos formam a faixa etária com o maior número de desempregados no Brasil, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) referentes a 2023.
Algumas das explicações para a dificuldade que os jovens enfrentam passa pela falta de experiência profissional e, em muitos casos, pela ausência de formações profissionalizantes.

A demanda por habilidades específicas também pode ser um obstáculo, especialmente se os jovens não tiverem acesso à educação ou treinamento adequados”, avalia a coordenadora da Agência de Estágios do Centro de Ensino Técnico (Centec), Danielle Barbosa.
A escola, que oferece mais de 30 formações profissionalizantes, como cursos técnicos, auxiliares e de especialização, tem nos jovens seu principal público.
“Entendemos que a boa formação é um dos melhores caminhos para fazer com que essas pessoas se destaquem em seleções e consigam se inserir no mercado”, diz Danielle.

Pesquisa mostra o que pode ajudar

Uma pesquisa da Fundação Roberto Marinho revelou que seis em cada dez empresas consideram que um curso técnico é um diferencial na hora de selecionar um jovem candidato. O mesmo estudo mostra ainda que quase metade dos jovens com formação técnica (42%) permanece na empresa e evolui de cargo.

“Sabemos que os jovens estão ansiosos e muitas vezes têm pressa para procurar trabalho. Uma formação em curso auxiliar é de até seis meses e a técnica varia de 12 a 18 meses, o que acaba ajudando a alcançar esse diploma mais rápido”, explica Danielle Barbosa.
A educadora ressalta que o ambiente de ensino acaba por ser uma ponte entre o estudante e o mercado. Afinal, o aluno interage com pessoas que serão seus futuros colegas de profissão.
“Além do mais, a escola tem a agência de estágios para auxiliar o aluno na busca por esse período de experiência em uma empresa, que é obrigatório para obtenção do diploma”, comenta.

Outras dicas

A coordenadora do eixo de gestão e negócios do Centec, Viviane Melo, destaca que um dos primeiros passos para buscar a inserção no mercado de trabalho é decidir qual área gera mais interesse ao aluno.
“É entender o que você gosta de fazer, no que você se considera bom e como poderia colocar isso em prática numa profissão. Pesquise, veja relatos de profissionais desta área e procure a formação”. Também é importante se dispor a aprender, em especial se a formação for técnica, afinal, a maior parte do ensino é na prática.

“Encontrar um emprego pode levar tempo e requer persistência. Mantenha uma atitude positiva, mesmo se houver rejeições, e continue aprimorando suas habilidades e expandindo sua rede de contatos. Uma hora você vai conseguir”, aconselha a professora.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *